Cursos | Job-à-Porter
O ESCRITÓRIO – CHEIO DE PERSONALIDADE – DA JENNA LYONS
O ESCRITÓRIO – CHEIO DE PERSONALIDADE – DA JENNA LYONS
O ESCRITÓRIO DE EVA CHEN
O ESCRITÓRIO DE EVA CHEN
Nova fase =)
NOVA FASE =)
DICAS DE OURO AO SE VESTIR PARA ENTREVISTAS DE EMPREGO – DE MODA!
DICAS DE OURO AO SE VESTIR PARA ENTREVISTAS DE EMPREGO – DE MODA!

Cursos

2 Com.

Cursos para 2014

Ano novo chegando aí… É uma época que a gente faz vários planejamentos, cria metas e alimenta nossos sonhos para que nossa vida fique ainda melhor =) E que tal incluir nesses novos planos algum curso para complementar seu currículo? Seja em que fase da sua carreira você estiver, conhecimento nunca é demais! Selecionei várias instituições que dão cursos livres para facilitar a sua pesquisa e escolha! Em algumas eu já estudei, outras não, mas no geral são bem faladas por aí e com profissionais top como professores!

*Acho legal olhar em outras áreas, não só de moda, porque às vezes tem uns temas que podem ser super interessantes e agregadores pra gente, também!

HEAD OF THE CLASSA.P.C. blazer, $420. DKNY Jeans jacket, $69. 7 For All Mankind jeans, $178.Escola São Paulo (SP): O site já está com o calendário disponível para o ano que vem. É um lugar mais modernete na Augusta e é ótimo para fazer contatos. Já fiz uns três cursos lá e foram todos bem legais!

FASM (SP): Algumas pessoas não sabem, mas, além de graduação, eles também oferecem cursos de extensão. Foi lá que eu estudei História, Moda e Cinema com o João Braga <3 tudo é organizadíssimo e com uma boa estrutura!

Casa do Saber (SP e RJ): Eu nunca fiz nenhum curso, mas tenho alguns amigos que fizeram e todos elogiam super! E tem uns cursos bem diferentões, é interessante!

IED (SP): Eu fiz um curso de Jornalismo de Moda lá com a Silvana Holzmeister, ex-editora da Vogue e atual Diretora de Redação da Cat Mag (pra onde eu escrevo às vezes <3), e foi bem interessante! A escola em si não é o exemplo de organização (#sinceridades), mas tem uma gama de opções bem variada!

ESPM (SP, RJ e RS): Não é uma instituição muito ligada à moda, mas para quem é do Marketing, ou quer se aprofundar a respeito, é referência! Eu fiz um curso de CRM ano passado e adorei!

Oficina de Estilo (SP): Fofas, muito fofas!!!! Eu fiz dois cursos com elas (Organização de Malas e Personal Shopping) e recomendo de olhos fechados! Para quem quer seguir carreira de personal stylist ou consultor de imagem, é um lugar para ir sem erro! Aliás, minha sócia se especializou com elas!

MADRE (SP): Eu fiquei sabendo dessa escola recentemente por meio de um post no Insta da Lia. Não ouvi falar muito sobre eles, mas dei uma fuçada no site e parece bem interessante.

Senac (Por todo o Brasil-sil): Eu nunca fiz nenhum curso lá, mas conheço várias pessoas que fizeram e sempre elogiam muito! Sem falar que é muito prático por ter em diversas cidades por todo o Brasil, né?

FAAP (SP e outras cidades): Eu fiz um curso lá com o João Braga (haha de novo ele!) e foi muuuuito legal. Por ser uma instituição mais “requintada”, os cursos são um pouco mais caros, mas a estrutura é top e tem muuuuitas opção legais. O calendário de 2014 já está disponível e tem temas como “Vocabulário de Moda em Inglês” e “As Divas do Cinema”.

Oficina de Escrita Criativa (SP): Esse aqui também não tem a ver com moda, mas como eu sei que muitos se interessam por escrita, seja por causa do jornalismo ou de blog, achei que vale a pena incluir! Foi a Jana Rosa quem falou dele e achei a ideia da escolha super bacana!

Se alguém tiver mais alguma dica, compartilha nos comentários!!

Beijos, Dri.

0 Com.

Palestras do Prof. João Braga na FAAP

Se você nunca assistiu uma aula ou palestra do historiador João Braga, agora você vai ter quatro oportunidades bem legais!

A FAAP fará um ciclo de palestras com ele sobre diferentes temas, que acontecerá em alguns sábados entre agosto e novembro.

Palestra Joao Braga

 

A palestra individual custa R$ 70,00, mas se você for em todas tem um descontinho. Para mais informações, é só clicar aqui.

Se você puder ir, vá que vai valer muito a pena!

0 Com.

Depoimento sobre o FIT em NY

Além de receber e-mails perguntando a respeito, eu sei que muita gente tem dúvidas sobre como é estudar moda no exterior, como são as escolas, os tipos de cursos e por aí vai. Como eu só sei falar sobre Londres e a CSM, resolvi falar com uma amiga, a Renata Falcão, que fez a FIT em NY. Formada em Direito, a Rê agora é Consultora de Imagem e Estilo como eu e também tem um blog bem legal sobre moda e comportamento: Coisas da Nata. Aqui ela vai contar um pouco pra gente como foi a experiência dela na FIT – e, olhem que legal, uma parte do curso foi online!

“Sempre fui muito curiosa e ávida pesquisadora na internet. Entre um site e outro descobri a FIT – Fashion Institute of Tecnology, Universidade Estadual de Nova Iorque, nos Estados Unidos (www.fitnyc.edu). A FIT dispõe de diversos cursos na área de moda e design. Lá é possível participar de um curso livre  individual, como por exemplo “Intensivo de cores para profissionais da moda” com 10 horas de duração ou se matricular nos módulos para a obtenção do Certificado de Desenvolvimento Profissional, cujo conteúdo programático inclui diversos cursos individuais.  O certificado em Consultoria de Imagem ou Image Consulting Certificate, cuja coordenadora é Dominique Isbeque (que também treinou Ilana Berenholc, pioneira na área de consultoria de imagem no Brasil), tem 11 cursos. Minha vontade inicial era de fazer todos simultaneamente para finalizar mais rápido, mas alguns cursos são requisitos para outros e existe uma certa ordem entre eles. Portanto fui fazendo aos poucos e obtive o certificado no período de um ano. O que achei mais interessante nessa experiência foi a possibilidade de obter um certificado de uma universidade americana sem precisar passar por diversas avaliações e a burocracia comum para quem deseja se aventurar em um curso universitário no exterior. Basta ter inglês de intermediário a avançado, falado e escrito, incluindo uma boa noção de termos de moda e vestuário. Outra vantagem foi a possibilidade de fazer parte do curso online, já que morar em Nova Iorque por um ano não estava nos meus planos, além de ser uma cidade com um custo de vida muito alto. E não subestime o aprendizado online, ele não perde em nada para o ao vivo. Há um sistema chamado ANGEL LEARNING, que os alunos têm acesso, onde os textos e as tarefas são disponibilizados. Há prazos para entrega de atividades e avaliações, além de uma interação constante entre alunos e professores. Essa interação é tão real que tive a oportunidade de ser chamada por uma das professoras dos módulos online para trabalhar como voluntária no New York Fashion Week, que pra mim foi a melhor parte de toda essa experiência. Tive a chance de ficar nos bastidores e manusear as criações de Oscar de La Renta, Zac Posen, Badgley Mischka, Custo Barcelona, Rachel Zoe, entre outros.

Para mais informações sobre o certificado em Image Consulting pela FIT, acessse este link direto http://www.fitnyc.edu/3188.asp. Normalmente os cursos são abertos de duas a três vezes no ano.”

Para quem tiver dúvidas ou quiser conversar mais a respeito, a Rê está super a disposição no blog dela =)

 

7 Com.

Qual faculdade eu faço?!

O post tá gigaaaante, mas é um assunto super necessário, não dava para ficar resumindo, sorry!

O post de hoje foi inspirado numa conversa que eu tive com uma leitora hoje à noite! Tudo começou com uma simples pergunta: “Gostaria de cursar moda e queria dicas de faculdades e universidades”. O papo rendeu, viu…

Há quase 7 anos atrás (ó Deus, como o tempo passa…) eu adoraria ter tido alguém para conversar a respeito! É uma escolha um tanto quanto complexa, já que a questão aqui não é só qual faculdade é boa, mas qual é o curso mais indicado para você. E também envolve o seguinte pensamento: nas áreas de engenharia ou direito, por exemplo, você TEM que se formar na área. Não existe engenheiro que não fez engenharia ou advogado que não cursou direito. Já em relação à moda, não é tão quadradinho de 8  quadrado; você pode tirar o conhecimento de diversos lugares, cursos…

Andy Sachs

Não sou uma super expert nos atuais cursos disponíveis atualmente, mas basicamente eu vejo três segmentos: Criação de Moda, Negócios da Moda e Tecnologia Têxtil. Pesquise e leia bastante sobre cada curso e as grades para você saber com qual você se identifica mais.

A chave aqui é pensar no que VOCÊ quer. – Aliás, não escute muito seus pais nesse momento… eles tem uma tendência a achar que moda é fútil e não vai te levar a lugar algum! – Você tem que levar em consideração qual base você quer ter, o que você quer estudar e aprender mais. Eu sou formada em Negócios da Moda com ênfase em marketing  pela Anhembi Morumbi. É um curso no qual você tem um aprendizado muito amplo da indústria da moda, não só da criação. A maior parte das minhas colegas de turma tinha interesse principalmente na criação, mas optaram por esse curso para terem um olhar mais voltado para o mercado e os negócios. Meio que para poder ter uma marca e saber tanto criar quanto gerenciar, sabe?

Vou contar algumas histórias de amigos meus para vocês me entenderem melhor:

Começando por mim: Eu sempre fui apaixonada por moda! Clichêzão mesmo hahaha sempre me interessei por roupas, como as pessoas se expressam por meio delas, como elas representam todo um contexto e uma sociedade… e eu também amava revistas de moda. O meu sonho era ser uma jornalista de moda e ter meus textos nas Elles e Vogues da vida. Lá no meu segundo colegial começou aquele questionamento de qual curso fazer. Eu não suportava a ideia de desenhar peças, criar coleções, pensar na construção, desenhar croquis… Então Criação estava fora de jogo. Como eu  gostava de revistas, cogitei estudar Jornalismo. E aí fiquei entre Jornalismo e Negócios da Moda, até me decidir que eu queria mesmo era ficar na moda, para depois definir qual seria a minha atuação nessa área. O curso foi perfeito para mim! Aprendi sobre tecidos, costurei, desenhei, estudei comportamento do consumidor, cool hunting, marketing, administração, produção de moda… o lado negativo é que você sabe de tudo um pouco, mas às vezes parece que você não sabe muito de nada, sabe? Mas para mim foi ótimo. Fiz diversos cursos para incrementar ainda mais o meu currículo e conhecimento, e como contei nesse post aqui, descobri que, afinal de contas, jornalismo não era para mim! Super me identifiquei com cool hunting e marketing, trabalhei na área comercial de uma marca e hoje sou consultora de imagem!

livros

Agora a história da minha sócia na Consultoria de Imagem, Carol Carneiro: ela também fez Negócios e desde o começo da faculdade se interessava por jornalismo. Chegou a trabalhar no backstage de desfiles, no marketing de uma marca e com uma joalheira, mas ela gostava mesmo era de jornalismo. Fizemos juntas um curso de Jornalismo no IED durante nosso último semestre. Ela manteve contato com nossos professores: Silvana Holzmeister (na época Editora de Projetos Especiais da Vogue) e Lula Rodrigues e, também por causa do blog que ela tinha, ela começou a pegar freelas e fazer coberturas de semanas de moda com esses jornalistas. Pronto, ela já era uma jornalista! Passou por uma revista digital e hoje, além de seus freelas e da nossa empresa, ela tem um blog no site da revista Glamour e escreve para o Fashion Bubbles.

Viram como a gente teve a mesma base, mas cada uma seguiu por um caminho?

Temos um amigo, Milton Meniquetti, que hoje em dia é dono de uma loja virtual, a Animal Prints. Ele é formado em Administração de Empresas, e também se formou com a gente em Negócios. Ele disse que a formação em moda foi super importante para ele ter a sua loja e poder pensar mais no seu consumidor, e não só e simplesmente administra-la. Nós fizemos até nosso TCC juntos, mas ele seguiu para o varejo e para a criação, já que cria suas próprias peças.

Uma outra amiga que se formou comigo, Luiza Paiva, hoje em dia é especializada em Visual Merchandising.

Último exemplo: Milena Mingone. Amigona minha, trabalhamos juntas na Paul Frank. A Mi é a estilista da marca, formada em Criação de Moda pela FASM e com passagem pela Ellus e Juliana Jabour. Ela não tem interesse nenhum na área comercial, por exemplo. O que ela gosta mesmo é de criar peças, é craque em analisar modelagens e tecidos, pensar nos aviamentos… Ou seja, Criação foi o curso perfeito para ela adquirir todo o conhecimento necessário para isso.

Manequins

E uma coisa também a se levar em consideração é que existem muitas instituições onde você pode fazer cursos livres: IED, FASM, Escola São Paulo, FAAP, Casa do Saber… Ou seja, mesmo que você curse Criação, você também pode estudar Marketing numa dessas escolas.

Para facilitar a sua pesquisa, o Chic postou uma lista atualizada de faculdades de moda pelo Brasil afora!

Espero não ter confundido sua cabeça ainda mais! hahaha Mas para quem quiser bater um papo, estou à disposição nos comentários, e-mail e página do face do blog =)

5 Com.

Fashion Magazine Business

O post de hoje é uma promessa que eu fiz aqui há uns dois anos e até agora não tinha escrito – shame on me! Mas antes tarde do que nunca!

Eu já contei neste post aqui que em 2011 eu fiz alguns cursos de moda na Central Saint Martins em Londres. Um deles foi o Fashion Magazine Business, o tema do post de hoje!

Eu sempre fui muito interessada em trabalhar em revistas de moda, tanto que eu quase fiz Jornalismo no lugar de Negócios da Moda como formação. Era fanática por revistas, estava sempre comprando várias e aquela coisa de toda menina apaixonada por moda/revista. Mas quando eu pensava em trabalhar nesse meio, não era na parte de criação de imagem que eu me interessava, e sim na criação de textos. Fiz cursos de Comunicação e Jornalismo de Moda aqui no Brasil e, quando vi esse em Londres, sabia que era o que faltava!

Fashion Magazines

E realmente era o que eu precisava mesmo. Porque foi nesse curso que eu descobri que não, trabalhar em revistas não era pra mim.

O foco do curso não é te ensinar a criar uma imagem de moda ou um texto, mas sim entender todo o universo que engloba uma revista de moda. É MUITO bacana! O professor é editor de uma revista de uma multimarcas londrina, e ele também é produtor de moda atuante, então você tem informações de alguém que está inserido no meio. Além de conhecer nomes e títulos importantes dessa indústria que valem a pena ser pesquisados, você aprende sobre os diferentes cargos e funções de uma revista, os jargões e termos utilizados na área e outros aspectos que existem no dia-a-dia de uma redação. Isso faz com que você expanda sua mente para além das fotos bonitas e os textos que lê; faz com que você enxergue a mecânica que rola para tudo funcionar.

Outro aspecto super legal do curso é que o professor te apresenta diversos formatos e tipos de revista que você não conhecia. Londres é uma cidade com uma mentalidade completamente diferente da nossa, mais receptiva a novas ideias, e isso é super precioso para o curso. Uma revista não precisa ter aquele formato padrão, capa mole, com textos informativos, editoriais e manchetes na capa. Ela pode ser uma caixa, pode ser só virtual, pode ter capa dura, pode não ter texto nenhum, pode ter somente textos e por aí vai… E seguindo essas características, a publicidade  da revista deve seguir o mesmo padrão: nos tipos de festas de lançamento, na montagem do media pack, na escolha das propagandas, distribuição..

Durante o curso temos a tarefa de criar uma revista de moda e montar uma apresentação de como faríamos para “vender” a ideia da revista. É muito legal esse processo, porque você pára para analisar e estudar cada um dos componentes que foi aprendido em sala. Então pensamos no público-alvo, no formato, no mood board, na distribuição, no tipo de conteúdo, tipografia e etc…

Resumindo: o curso te ajuda a enxergar as revistas de moda por um ângulo super diferente do que você enxergava antes. E foi tendo essa nova visão que eu percebi que aquele tipo de mecanismo e rotina não era o que eu queria para mim! E, assim como saber o que queremos, saber o que não queremos também é super importante! Quem sabe não é até mais?!

O curso ainda é ministrado na CSM pelo mesmo professor, o Jason Hughes, e tem uma carga horária de 30 horas. Para quem quiser saber mais a respeito, segue o link do site: Fashion Magazine Business. Ah! O curso é todinho em inglês, tá?!

E, para quem tiver mais dúvidas, se joga nos comentários =))

 

 

3 Com.

Counseling: como foi a minha experiência

Oi, gente, feliz ano novo!!! Andei super sumida, mas passei por algumas mudanças na minha vida e acho que agora o blog vai que vai =) E, aliás, o post de hoje é relacionado a essas mudanças!

O post ficou meio grandinho, mas eu sei que é um assunto que interessa a muita gente, por isso quis ser bem detalhista!

Há uns meses atrás eu estava meio perdida em relação à minha carreira: fico não fico, no que eu foco, faço pós nisso, faço naquilo, não faço… Aquelas perguntas que em algum momento a gente se faz, né? Bom, por conspiração do universo ou mera coincidência, fui naquela palestra que já falei a respeito nesse post aqui e lá eu descobri um serviço que já tinha ouvido falar, mas muito en passant: o Counseling.

O Counseling (ou “aconselhamento”) te ajuda a fazer uma auto análise e a traçar o melhor caminho para a sua carreira, com base nos seus interesses, suas aptidões e etc. A hora que eu  descobri esse serviço fez “plim” na minha cabeça e eu sabia que era disso que eu precisava! hahaha. A própria palestrante, a Angela Valiera, é quem faz o counseling. Conversei um pouco com ela depois da palestra e pesquisei a respeito no site do Carreira Fashion – que é por onde o serviço era oferecido até então – antes de decidir se eu faria ou não.

Você pode optar por dois tipos de trabalho: fazer apenas uma sessão, que é indicado para quando se tem dúvidas pontuais ou fazer um pacote de sete sessões, onde é feito todo um trabalho mais aprofundado. Eu, logicamente, fiquei com a segunda opção! Eu tinha tantas dúvidas que uma única sessão não seria suficiente – e foi um dos meus melhores investimentos!

Nas sessões há muita conversa sobre o que você se interessa ou não, os motivos, por onde você já passou, o que você já fez, aonde gostaria de chegar e quais são suas dúvidas e receios. Uma das partes mais interessantes é um teste de personalidade que você responde e por meio dele a Angela consegue conhecer melhor quem você é e – surpresa! – você também se conhece mais. Ficar ciente de fraquezas e pontos fortes é muito importante para saber o que é preciso ser melhorado e no que é melhor focar.

Outro aspecto positivo foi a própria Angela. Toda a sua carreira foi focada na área de moda, passando por diversas cidades e atividades, o que faz com que ela tenha uma experiência e conhecimento de mercado muito ricos! Sem falar no fato de que ela faz parte do Carreira Fashion, o que enriquece ainda mais suas habilidades. Assim, com base em tudo o que é conversado nos encontros e o que ela aprende sobre você, já vai sendo definido possíveis áreas que combinam com o seu perfil, qual seria o melhor caminho para chegar lá, como montar o seu CV apropriado para o cargo que você deseja, quais cursos fazer e etc.

E uma coisa bacana do counseling é que você pode utilizar o serviço em qualquer fase da sua carreira. Sei até de uma menina  que estava no ensino médio e que usou para poder trilhar a carreira dela e fazer a escolhe certa da faculdade!

Hoje estou numa fase de transição que teve o start no counseling. Estou abrindo uma empresa de Consultoria de Imagem com uma super amiga (e agora sócia!) e a Angela tem nos ajudado muito no processo. Ou seja, recomendo de olhos fechados para quem se interessar!

Para saber mais a respeito, no site da Angela tem bastante informação. E, para quem quiser conversar mais sobre isso e tiver alguma dúvida, se joga nos comentários ; )

13 Com.

Moda fora do Brasil: Central Saint Martins

Depois de me formar em dezembro/2010, resolvi fazer cursos de moda fora do país. Era uma coisa que eu planejava desde o comecinho da faculdade, sempre achei que conhecer a moda por diferentes olhos seria enriquecedor profissionalmente (sem falar que viajar nunca é ruim, né!).

Já em 2010 fui procurando pela internet quais escolas eram mais recomendadas e cursos pelos quais eu me interessava. Resumindo a minha pesquisa, as escolas que eu encontrei foram: IED, FIT, Parsons, Parsons Paris, Esmod, Istituto Marangoni e Central Saint Martins.

Ou seja, muitas opções! De início eu estava bem interessada pelo FIT, porque eles tem uma grade bem flexível, e você pode ir cursando matérias diferentes sem necessariamente fazer um curso em específico por completo, mas como eu já tinha ido a NY 3 vezes e queria também ir a Paris estudar Francês, resolvi focar na Europa. Depois de muita pesquisa, optei pela Central Saint Martins, em Londres. Além de a escola ser muito renomada, quis conhecer como era a moda na Inglaterra, já que lá eles tem a cabeça super aberta e estão sempre tentando inovar ou ver as coisas de diferentes maneiras.

Renomadíssima, ela oferece cursos de graduação, pós-graduação, mestrados e etc, que são disputadíssimos, tem todo um processo para ser aceito. E são oferecidos, também, os “Short Courses”, que foram os que eu cursei. São cursos das mais variadas áreas (Moda, Artes, Teatro…) que não necessitam de pré-aprovação (ou seja, pague e faça hahaha) e são de curta duração, uma ou duas semanas em média (pra quem mora lá, eles também são dados aos finais de semana e à noite, e a carga horária é a mesma). Cada curso custa entre 300 e 450 libras e todo o pagamento pode ser feito através do próprio site.

Vale a pena? MUITO!!!

Viver em libra não é barato, mas, se você puder pagar, vale muito a pena por diversos motivos.  Nos 3 cursos que eu fiz, todo o conhecimento teórico é posto em prática, então as aulas são muito completas, além de serem dadas por profissionais atuantes na área em questão. As aulas são frequentadas por pessoas do mundo inteiro, e a troca de cultura, valores e conhecimento entre diferentes nacionalidades abre sua cabeça pra uma série de coisas que você nunca tinha reparado ou pensado, sem falar no networking (algumas pessoas dos meus cursos fizeram parcerias de trabalho). E como Londres é uma cidade muito rica culturalmente e fashonisticamente falando, você experiencia muita coisa do que aprendeu em sala de aula: são museus e mais museus, parques e mais parques, lojas e mais lojas pra servirem de inspiração e como campo de pesquisa.

Para quem se interessou:

Eu fiquei numa residência estudantil chamada The Residence . Comparando ao que eu vi em Paris e Londres, era bem boa, com banheiro dentro do quarto (sério, na Europa isso é bem difícil) e uma mini cozinha. O bairro era muito muito muito bom, com duas estações de metrô próximas, vários restaurantes e mercados e dava para andar à noite nas ruas tranquilíssima. Não lembro o preço, acho que era umas 60 libras por noite, algo assim.

Para comida acho que eu reservaria umas 20 ou 30 libras por dia (sendo mais exagerada).

Brasileiros não precisam de visto se não vão estudar mais do que 3 meses (confiram no site da embaixada londrina, porque eu não tenho certeza dos números), mas leve comprovantes de renda, comprovante de passagem de volta para o Brasil, comprovante do hotel, comprovante dos cursos para não ter nenhum problema na hora de entrar no país. Eles conferem documento por documento e também fazem várias perguntas, então, esteja preparada para nenhum imprevisto!

Durante os cursos você acaba tendo gastos com materiais e outras coisas, então sempre leve um pouco de dinheiro para esses fins.

Vou fazer posts contando como foi cada curso que eu fiz!

E para quem quer saber como é o esquema no FIT, a Thereza Chammas  do Fashionismo falou como foi a experiência dela!