Dica | Job-à-Porter
O ESCRITÓRIO – CHEIO DE PERSONALIDADE – DA JENNA LYONS
O ESCRITÓRIO – CHEIO DE PERSONALIDADE – DA JENNA LYONS
O ESCRITÓRIO DE EVA CHEN
O ESCRITÓRIO DE EVA CHEN
Nova fase =)
NOVA FASE =)
DICAS DE OURO AO SE VESTIR PARA ENTREVISTAS DE EMPREGO – DE MODA!
DICAS DE OURO AO SE VESTIR PARA ENTREVISTAS DE EMPREGO – DE MODA!

Dica

0 Com.

Contatos, Cursos e… Identidade Visual!

O mundo, não só da moda, está cada dia mais concorrido, né?! São cada vez mais línguas que a gente tem que falar, mais conhecimento que a gente tem que ter, mais lugares que a gente tem que frequentar e ver e ser visto. Aliás, vamos parar no ver e ser visto. Mais especificamente, no “ser visto”. Imagine que você trabalhe num lugar em que frequenta muitos eventos, recebe pessoas importantes no escritório da empresa, vai nas semanas de moda e etc. Você acaba conhecendo e trocando figurinha com diversas pessoas, dentre elas nomes importantes da indústria e/ou possíveis novos chefes. Mas, ao mesmo tempo, essas pessoas também encontram e conversam com uma galera! Como garantir que a pessoa se lembre de você depois, se vocês se falaram tão rápido e o tempo foi tão curto? É simples: crie uma identidade visual – torne mais fácil para as pessoas se lembrarem de você!

O seu pai ou seu namorado podem não saber o nome da Anna Wintour, mas se você mostrar a fotinho dela, com seu cabelo curtinho e seu óculos de sol giga, eles vão saber, certo? Quando a Anna Dello Russo passa nas semanas de moda, não é todo mundo que sabe o nome dela e o que ela faz, mas todo mundo lembra dela. E a Grace Coddington e sua cabeleira ruiva? E Costanza Pascolato com seu topete e óculos? E Dudu Bertholini com seus caftãs?

iv-brasil

Entenderam o ponto? Você não precisa se tornar um personagem e nem se vestir estranho, mas seria legal se você criasse uma identidade visual para você. Pode ser a diferença entre ter a oportunidade, ou não, de conseguir uma entrevista ou uma conversa em que você pode mostrar o seu diferencial e o seu repertório. As pessoas se sentem mais à vontade e confiam mais em quem elas já tem alguma referência, alguma familiaridade

iv-gringos

Pense no seu próprio estilo: o que você gosta muito de usar? Você pode se tornar a menina dos colarzões, ou o menino da gravata borboleta, ou aquela que só usa batonzão colorido, a do super delineador, a das roupas muito coloridas… Fica até mais fácil para as pessoas falarem de você. Imagina alguém falando de outra pessoa: sabe aquela loira de cabelo comprido? (Imagina quantas não tem na SPFW!) “Ahhh não sei…”. Agora olha a diferença: sabe aquela loira de cabelo comprido que sempre está usando um lenço colorido, cada dia amarrado de um jeito!? “SEI!!” Bingo! Ou então imagina que você está se candidatando para uma vaga numa revista e, ao chegar no lugar, a jornalista que está fazendo as entrevistas te reconhece de algum evento anterior. Pronto, você conseguiu dar um passo a frente dos outros candidatos.

Além de cuidar do conteúdo e dos contatos, também temos que garantir que sejamos lembrados E reconhecidos ; )

0 Com.

Contatos, Cursos e… Identidade Visual!

O mundo, não só da moda, está cada dia mais concorrido, né?! São cada vez mais línguas que a gente tem que falar, mais conhecimento que a gente tem que ter, mais lugares que a gente tem que frequentar e ver e ser visto. Aliás, vamos parar no ver e ser visto. Mais especificamente, no “ser visto”. Imagine que você trabalhe num lugar em que frequenta muitos eventos, recebe pessoas importantes no escritório da empresa, vai nas semanas de moda e etc. Você acaba conhecendo e trocando figurinha com diversas pessoas, dentre elas nomes importantes da indústria e/ou possíveis novos chefes. Mas, ao mesmo tempo, essas pessoas também encontram e conversam com uma galera! Como garantir que a pessoa se lembre de você depois, se vocês se falaram tão rápido e o tempo foi tão curto? É simples: crie uma identidade visual – torne mais fácil para as pessoas se lembrarem de você!

O seu pai ou seu namorado podem não saber o nome da Anna Wintour, mas se você mostrar a fotinho dela, com seu cabelo curtinho e seu óculos de sol giga, eles vão saber, certo? Quando a Anna Dello Russo passa nas semanas de moda, não é todo mundo que sabe o nome dela e o que ela faz, mas todo mundo lembra dela. E a Grace Coddington e sua cabeleira ruiva? E Costanza Pascolato com seu topete e óculos? E Dudu Bertholini com seus caftãs?

iv brasilEntenderam o ponto? Você não precisa se tornar um personagem e nem se vestir estranho, mas seria legal se você criasse uma identidade visual para você. Pode ser a diferença entre ter a oportunidade, ou não, de conseguir uma entrevista ou uma conversa em que você pode mostrar o seu diferencial e o seu repertório. As pessoas se sentem mais à vontade e confiam mais em quem elas já tem alguma referência, alguma familiaridade.

iv gringosPense no seu próprio estilo: o que você gosta muito de usar? Você pode se tornar a menina dos colarzões, ou o menino da gravata borboleta, ou aquela que só usa batonzão colorido, a do super delineador, a das roupas muito coloridas… Fica até mais fácil para as pessoas falarem de você. Imagina alguém falando de outra pessoa: sabe aquela loira de cabelo comprido? (Imagina quantas não tem na SPFW!) “Ahhh não sei…”. Agora olha a diferença: sabe aquela loira de cabelo comprido que sempre está usando um lenço colorido, cada dia amarrado de um jeito!? “SEI!!” Bingo! Ou então imagina que você está se candidatando para uma vaga numa revista e, ao chegar no lugar, a jornalista que está fazendo as entrevistas te reconhece de algum evento anterior. Pronto, você conseguiu dar um passo a frente dos outros candidatos.

Além de cuidar do conteúdo e dos contatos, também temos que garantir que sejamos lembrados E reconhecidos ; )

0 Com.

Quanto ganha quem trabalha em revistas de moda?

Reza a lenda que o mundo da moda é um mercado difícil para se fazer dinheiro. Mas a gente escuta um boatinho aqui, um comentário ali, mas nunca rola o que a gente quer saber mesmo: o dim dim de verdade, com todos os centavos a se considerar! Até porque, o pouco de um é o muito de outro, né?!

Marie Claire Editor

Para ajudar colegas como nós que tem essa curiosidade (ou até necessidade!), o Who What Wear reuniu informações que o Glassdor, um site de busca de empregos gringo, coletou de funcionários anônimos da Condé Nast, publisher da Vogue, GQ, Glamour… Como lá nos EUA eles falam do salário anual, eu dividi por 12 para nós entendermos melhor! Apesar de nosso mercado ser bem diferente do de lá de fora, acho interessante termos esse referencial! Melhor do que nada, né!?

EDITORIAL ASSISTENT: US$ 2552,00

ASSISTENT DIRECTOR: US$ 2898,00

FASHION ASSISTENT: US$ 3166,00

ASSOCIATE EDITOR: US$ 4486,00

EDITOR: US$ 5804,00

ONLINE EDITOR: US$ 6161

ONLINE SENIOR EDITOR: US$ 7320

SENIOR EDITOR: US$ 8227,00

CREATIVE DIRECTOR: US$ 13611,00

Todo mundo correndo para descobrir como virar um Creative Director!? haha

E aí, surpreendeu ou decepcionou?

(Vou preparar um post com uma descrição de cada um desses cargos, o que acham!?)

=)

1 Com.

Para ser feliz no Home Office

Acho que quase todo mundo sonha em trabalhar em casa – o tão comentado home office. E aí que no começo desse ano eu realizei o meu!

Para quem não sabe, eu sai do meu emprego na área comercial de uma marca em São Paulo e voltei para a casa dos meus pais em São José dos Campos (onde morei durante minha adolescência) para trabalhar como consultora de imagem (já viram minha empresa Maistrê?!). E, desde então, estou me aventurando no home office! Mas como todo paraíso tem mosquito, esse modelo de trabalho não é tão lindo e fácil quanto todo mundo acha! Aqui vão as minhas dicas para quem quer adotar esse esquema:

Pijama não é roupa de trabalho! – Nem pense em passar o dia inteiro com qualquer roupa. Apesar de estar em casa, você está trabalhando, então o ideal é vestir-se para tal. Ao se arrumar como se fosse sair para trabalhar, sua postura já muda e você fica mais focado, tirando o clima de “casa e preguiça”. Sem falar que, já pensou se aparece uma reunião ou visita de última hora?! É melhor já estar preparado para o que der e vier!

Oi, escrivaninha! – não, cama não é local de trabalho. Conheço pouquíssimas pessoas que conseguem trabalhar deitadas em sua cama e render bastante. Tenha um espaço específico para isso para focar no trabalho e também para deixar as coisas referentes a ele organizadas e num lugar específico. Se você não pode ter um cômodo só para isso, tenha, pelo menos, um espaço (armário, prateleira, estante, gaveteiro) reservado só para o material de trabalho. Aliás, deixe suas coisas pessoais separadas das de trabalho!

Home office fundo branco

Deixe bem claro que você está trabalhando! – As pessoas – tanto da sua casa quanto seus amigos – tendem a achar que agora que você está em casa tá na vida boa e pode fazer o que quiser, a hora que quiser. Mas não é assim, né? Explique para todos e corte qualquer tentativa de “dá uma passadinha no mercado pra mim?”, “Resolve aquilo lá no banco?” ou “Pesquisa isso para mim já que agora você está mais sossegado?”. Aprenda a dizer não para essas propostas que só vão te atrapalhar!

D-i-s-c-i-l-p-l-i-n-a – Com certeza está sendo a parte mais difícil pra mim, principalmente porque eu não tenho um chefe ou horários e metas a cumprir definidos por outra pessoa. Defina – e cumpra! – quais serão as suas horas de trabalho e tudo o que você quer fazer durante o seu dia e a sua semana. Não relaxe nisso para não diminuir o seu rendimento!

Não se isole – Distraído pelo trabalho, de repente você vai perceber que passou o dia sem falar com pessoas fora da sua casa e que está meio isolado do mundo – e das pessoas do seu meio. Então, é legal marcar encontros e reuniões com colegas de profissão, circular por eventos da área… Você não quer ser esquecido e ficar por fora do que tem acontecido no mercado, né?

Tem mais alguma dica para trabalhar com home office?! É só comentar =)

Tags:
1 Com.

Não custa nada tentar!

Hoje eu estava conversando com uma amiga sobre trabalho e uma parte da conversa foi assim:

Ela – O que eu queria mesmo era ser assistente da profissional mais top do mercado e ter ela como mentora.

Eu – E você já tentou entrar em contato com ela?

Ela – Ah, não, tenho pouca experiência, uma mulher dessa nem vai olhar pra mim.

NÃO, GENTE!!!!!!!!!!!!!! Não pensem assim!

Pelas minhas pesquisas, leituras e andanças sobre trabalho e afins, eu já vi muitas histórias de pessoas que foram com a cara e a coragem atrás de grandes profissionais na esperanças de conseguir um emprego com o tal – e conseguiram! Às vezes mesmo sem ter experiência, podemos ter uma outra características que aos olhos do empregador seja super valiosa ou interessante! Me lembro de um curso que fiz há uns três anos com um super nome forte na indústria e perguntei para o assistente dela como ele tinha começado a trabalhar com ela. Ele me contou que amava o trabalho dela e no período de um ano ele contatava ela de tempos em tempos, até que ele conseguiu virar seu assistente (logicamente, a gente só tem que ter noção para não virar um mala e, ao contrário do que a gente quer, até manchar nossa imagem perante a pessoa, né)!

Hoje com a internet e essas tantas redes sociais, tudo e todos estão muito mais próximos. Pode ser por página do Facebook, por Instagram ou Twitter, mas você pode mandar mensagem pra quem você quiser, inclusive o seu ídolo profissional!

Meu pai sempre me disse: “o ‘não’ você já tem”. Ou seja, se você tentar, só tem duas opções: ou vai voltar para o não que já tinha mesmo ou vai conseguir um “sim” mudar seus passos =)

 

1 Com.

Profissões e dicas para trabalhar com moda!

Oi, pessoal! Nesse post eu trago mais vídeos super interessantes. Nas minhas andanças pela internet, encontrei um canal no You Tube chamado Moda Para Usar, que tem diversos vídeos sobre moda, beleza, tendências, dicas de como se vestir… Eles gravaram alguns vídeos com a Angela Valiera, que é gerente do Carrreira Fashion e coordenadora do EnModa (já falei dela várias vezes aqui no blog!), falando sobre diferentes profissões do mundo da moda e também dicas para começar a sua carreira. Valem muito a pena!!

PROFISSÃO PRODUTOR DE MODA

 

PROFISSÃO CONSULTOR DE MODA E IMAGEM (Minha profissão <3)

 

PROFISSÃO ESTILISTA

 

DICAS PARA TRABALHAR NA ÁREA

 

Gostaram!?

 

1 Com.

O emprego dos sonhos pelo Who What Wear

Você já ouviu falar no Who What Wear? É um site americano que dá dicas de moda e beleza, super legal! Se você se interessa por moda e internet, TEM que conhecer o WWW. Bom, e aí que semana passada Hillary Kerr e Katherine Power, as responsáveis pelo site, dividiram dicas que não eram sobre roupas e sapatos, e, sim, sobre como trabalhar com moda! Elas fizeram as Top 10 dicas que elas acham mais importantes para quem está começando e eu vou dividir um resumo delas aqui!

WWW

 

EDUQUE-SE – Investigue todas as possibilidades! O mundo da moda é muito amplo e você tem que descobrir em qual lugar se encaixaria melhor. Você ama as vitrines das lojas? Então, talvez você deva ser uma Visual Merchandiser.

TENHA UMA TARGET LIST: Agora que você já sabe em qual área quer atuar, descubra quais são as empresas ou profissionais que mais te inspiram – e vá atrás deles! Nas palavras delas, “paixão faz uma grande diferença”. Então, se você ama as estampas da Adriana Barra e acompanha as coleções desde o início, quando for entrar em contato com a marca, eles certamente notarão a sua paixão!

TENHA UM CURRÍCULO E UMA CARTA DE APRESENTAÇÃO BEM PENSADOS – Costumizar o máximo possível já te traz muitos pontos! Se você está atrás de uma vaga no departamento de Relações Públicas, faça com que seu CV seja inteiramente voltado para isso. E, segundo as meninas, caso você não tenha muita ou nenhuma experiência, a carta de apresentação é o mais importante!!! “Coloque exemplos específicos como o quanto você ama a marca e porque você seria uma ótima contratação para o time”, elas explicam.

CUIDE DE SUAS REDES SOCIAIS – Isso já é fato, em qualquer área: seus contratante vai dar um Google em você e vai checar seu Instagram, Facebook, Twitter… Palavrões, fotos comprometedoras de noitadas, bebida excessiva com certeza vão queimar seu filme! (Adendo da vida real: uma amiga minha conseguiu um emprego numa revista pois a candidata anterior foi recusada por causa de suas fotos tocha-filme no Face!).

ESTAGIE – Além de adquirir experiência, você faz muitos contatos – tanto com os outros estagiários quanto com os seus superiores. Contato e experiência não se compra!!!

PRA FRENTE E AVANTE – SEMPRE! – Conseguir o estágio não quer dizer que você já está feito. Você tem que ser o melhor e se superar todos os dias. Aquele papo clichê, mas que é a pura verdade: seja o primeiro a chegar e o último a sair, tenha iniciativa para qualquer tarefa e faça coisas antes que lhe seja solicitado.

WWW office

ARRASE NA SUA ENTREVISTA – tarefa de casa antes da entrevista: sempre pesquise informações sobre seu entrevistador ou sobre a empresa; descubra os mais recentes e importantes projetos e seu histórico. E seja pontual!!!!

MOSTRE SEU PONTO DE VISTA – mesmo que você não tenha experiência na área, mostre o seu gosto pessoal e sua visão da moda com um blog ou com uma boa curadoria em boards no Pinterest. As meninas explicam: “Pense como um adendo ao seu currículo e como uma maneira de impressionar ainda mais na sua entrevista”.

AGRADEÇA COMO ANTIGAMENTE – Seja diferente e mande um bilhete de agradecimento escrito à mão – garantia que você irá se destacar nesse mundo onde tudo é tão computadorizado e impessoal. Mas tenha certeza de colocar o bilhete no correio no mesmo dia da entrevista!

0 Com.

Voguepedia

Caso você precise fazer alguma pesquisa, seja para um artigo, trabalho para a faculdade ou apenas curiosidade, descobri um recurso muito legal! No site da Vogue America, tem uma sessão chamada Voguepedia no qual é possível pesquisar diversos nomes e assuntos importantes da indústria. Os nomes estão separados por categorias como Beleza, Marcas, Fatos Importantes, Fotógrafos, entre outros.

Captura de Tela 2013-06-18 às 22.01.53

 

É possível ler um resumo sobre a história do assunto que você buscou, quando apareceu na Vogue pela primeira vez e também artigos na Vogue.com que contenham o tal tema! Além disso, eles fornecem a bibliografia de onde tiram todas as informações, então te dá novas opções para fazer sua pesquisa.

E você achava que só o Google era útil, hein?!

7 Com.

Qual faculdade eu faço?!

O post tá gigaaaante, mas é um assunto super necessário, não dava para ficar resumindo, sorry!

O post de hoje foi inspirado numa conversa que eu tive com uma leitora hoje à noite! Tudo começou com uma simples pergunta: “Gostaria de cursar moda e queria dicas de faculdades e universidades”. O papo rendeu, viu…

Há quase 7 anos atrás (ó Deus, como o tempo passa…) eu adoraria ter tido alguém para conversar a respeito! É uma escolha um tanto quanto complexa, já que a questão aqui não é só qual faculdade é boa, mas qual é o curso mais indicado para você. E também envolve o seguinte pensamento: nas áreas de engenharia ou direito, por exemplo, você TEM que se formar na área. Não existe engenheiro que não fez engenharia ou advogado que não cursou direito. Já em relação à moda, não é tão quadradinho de 8  quadrado; você pode tirar o conhecimento de diversos lugares, cursos…

Andy Sachs

Não sou uma super expert nos atuais cursos disponíveis atualmente, mas basicamente eu vejo três segmentos: Criação de Moda, Negócios da Moda e Tecnologia Têxtil. Pesquise e leia bastante sobre cada curso e as grades para você saber com qual você se identifica mais.

A chave aqui é pensar no que VOCÊ quer. – Aliás, não escute muito seus pais nesse momento… eles tem uma tendência a achar que moda é fútil e não vai te levar a lugar algum! – Você tem que levar em consideração qual base você quer ter, o que você quer estudar e aprender mais. Eu sou formada em Negócios da Moda com ênfase em marketing  pela Anhembi Morumbi. É um curso no qual você tem um aprendizado muito amplo da indústria da moda, não só da criação. A maior parte das minhas colegas de turma tinha interesse principalmente na criação, mas optaram por esse curso para terem um olhar mais voltado para o mercado e os negócios. Meio que para poder ter uma marca e saber tanto criar quanto gerenciar, sabe?

Vou contar algumas histórias de amigos meus para vocês me entenderem melhor:

Começando por mim: Eu sempre fui apaixonada por moda! Clichêzão mesmo hahaha sempre me interessei por roupas, como as pessoas se expressam por meio delas, como elas representam todo um contexto e uma sociedade… e eu também amava revistas de moda. O meu sonho era ser uma jornalista de moda e ter meus textos nas Elles e Vogues da vida. Lá no meu segundo colegial começou aquele questionamento de qual curso fazer. Eu não suportava a ideia de desenhar peças, criar coleções, pensar na construção, desenhar croquis… Então Criação estava fora de jogo. Como eu  gostava de revistas, cogitei estudar Jornalismo. E aí fiquei entre Jornalismo e Negócios da Moda, até me decidir que eu queria mesmo era ficar na moda, para depois definir qual seria a minha atuação nessa área. O curso foi perfeito para mim! Aprendi sobre tecidos, costurei, desenhei, estudei comportamento do consumidor, cool hunting, marketing, administração, produção de moda… o lado negativo é que você sabe de tudo um pouco, mas às vezes parece que você não sabe muito de nada, sabe? Mas para mim foi ótimo. Fiz diversos cursos para incrementar ainda mais o meu currículo e conhecimento, e como contei nesse post aqui, descobri que, afinal de contas, jornalismo não era para mim! Super me identifiquei com cool hunting e marketing, trabalhei na área comercial de uma marca e hoje sou consultora de imagem!

livros

Agora a história da minha sócia na Consultoria de Imagem, Carol Carneiro: ela também fez Negócios e desde o começo da faculdade se interessava por jornalismo. Chegou a trabalhar no backstage de desfiles, no marketing de uma marca e com uma joalheira, mas ela gostava mesmo era de jornalismo. Fizemos juntas um curso de Jornalismo no IED durante nosso último semestre. Ela manteve contato com nossos professores: Silvana Holzmeister (na época Editora de Projetos Especiais da Vogue) e Lula Rodrigues e, também por causa do blog que ela tinha, ela começou a pegar freelas e fazer coberturas de semanas de moda com esses jornalistas. Pronto, ela já era uma jornalista! Passou por uma revista digital e hoje, além de seus freelas e da nossa empresa, ela tem um blog no site da revista Glamour e escreve para o Fashion Bubbles.

Viram como a gente teve a mesma base, mas cada uma seguiu por um caminho?

Temos um amigo, Milton Meniquetti, que hoje em dia é dono de uma loja virtual, a Animal Prints. Ele é formado em Administração de Empresas, e também se formou com a gente em Negócios. Ele disse que a formação em moda foi super importante para ele ter a sua loja e poder pensar mais no seu consumidor, e não só e simplesmente administra-la. Nós fizemos até nosso TCC juntos, mas ele seguiu para o varejo e para a criação, já que cria suas próprias peças.

Uma outra amiga que se formou comigo, Luiza Paiva, hoje em dia é especializada em Visual Merchandising.

Último exemplo: Milena Mingone. Amigona minha, trabalhamos juntas na Paul Frank. A Mi é a estilista da marca, formada em Criação de Moda pela FASM e com passagem pela Ellus e Juliana Jabour. Ela não tem interesse nenhum na área comercial, por exemplo. O que ela gosta mesmo é de criar peças, é craque em analisar modelagens e tecidos, pensar nos aviamentos… Ou seja, Criação foi o curso perfeito para ela adquirir todo o conhecimento necessário para isso.

Manequins

E uma coisa também a se levar em consideração é que existem muitas instituições onde você pode fazer cursos livres: IED, FASM, Escola São Paulo, FAAP, Casa do Saber… Ou seja, mesmo que você curse Criação, você também pode estudar Marketing numa dessas escolas.

Para facilitar a sua pesquisa, o Chic postou uma lista atualizada de faculdades de moda pelo Brasil afora!

Espero não ter confundido sua cabeça ainda mais! hahaha Mas para quem quiser bater um papo, estou à disposição nos comentários, e-mail e página do face do blog =)

0 Com.

Para nunca mais pronunciar errado!

Hoje o post é bem rapidinho, mas a dica é de ouro! Foi a Ilana Berenholc, com quem me especializei em Consultoria de Imagem, quem compartilhou esse aplicativo no face!

Quem nunca ficou meio inseguro na hora de pronunciar o nome de algum estilista?! Por exemplo, você sabe pronunciar corretamente Proenza Schouler ou Agent Provocateur?? Esse app é justamente para resolver seu problema!

Speak Chic

O nome dele é Speak Chic e está disponível na App Store. Lá tem uma lista super extensa de nomes de designers e marcas (incluindo Rosa Chá, uhul!) e, ao selecionar um, você pode escutar a mocinha do app pronunciando corretamente o nome! A gente abafa que o sotaque americano é suuuuuper pesado, mas, mesmo assim, os nomes estão corretinhos e é isso que vale né?!

E ainda tem um bônus: você também pode conhecer a história de algumas das marcas listadas! Ou seja, a próxima vez que você estiver numa sala de espera, já tem o que ler =))))