moda | Job-à-Porter
O ESCRITÓRIO – CHEIO DE PERSONALIDADE – DA JENNA LYONS
O ESCRITÓRIO – CHEIO DE PERSONALIDADE – DA JENNA LYONS
O ESCRITÓRIO DE EVA CHEN
O ESCRITÓRIO DE EVA CHEN
Nova fase =)
NOVA FASE =)
DICAS DE OURO AO SE VESTIR PARA ENTREVISTAS DE EMPREGO – DE MODA!
DICAS DE OURO AO SE VESTIR PARA ENTREVISTAS DE EMPREGO – DE MODA!

moda

0 Com.

Contatos, Cursos e… Identidade Visual!

O mundo, não só da moda, está cada dia mais concorrido, né?! São cada vez mais línguas que a gente tem que falar, mais conhecimento que a gente tem que ter, mais lugares que a gente tem que frequentar e ver e ser visto. Aliás, vamos parar no ver e ser visto. Mais especificamente, no “ser visto”. Imagine que você trabalhe num lugar em que frequenta muitos eventos, recebe pessoas importantes no escritório da empresa, vai nas semanas de moda e etc. Você acaba conhecendo e trocando figurinha com diversas pessoas, dentre elas nomes importantes da indústria e/ou possíveis novos chefes. Mas, ao mesmo tempo, essas pessoas também encontram e conversam com uma galera! Como garantir que a pessoa se lembre de você depois, se vocês se falaram tão rápido e o tempo foi tão curto? É simples: crie uma identidade visual – torne mais fácil para as pessoas se lembrarem de você!

O seu pai ou seu namorado podem não saber o nome da Anna Wintour, mas se você mostrar a fotinho dela, com seu cabelo curtinho e seu óculos de sol giga, eles vão saber, certo? Quando a Anna Dello Russo passa nas semanas de moda, não é todo mundo que sabe o nome dela e o que ela faz, mas todo mundo lembra dela. E a Grace Coddington e sua cabeleira ruiva? E Costanza Pascolato com seu topete e óculos? E Dudu Bertholini com seus caftãs?

iv-brasil

Entenderam o ponto? Você não precisa se tornar um personagem e nem se vestir estranho, mas seria legal se você criasse uma identidade visual para você. Pode ser a diferença entre ter a oportunidade, ou não, de conseguir uma entrevista ou uma conversa em que você pode mostrar o seu diferencial e o seu repertório. As pessoas se sentem mais à vontade e confiam mais em quem elas já tem alguma referência, alguma familiaridade

iv-gringos

Pense no seu próprio estilo: o que você gosta muito de usar? Você pode se tornar a menina dos colarzões, ou o menino da gravata borboleta, ou aquela que só usa batonzão colorido, a do super delineador, a das roupas muito coloridas… Fica até mais fácil para as pessoas falarem de você. Imagina alguém falando de outra pessoa: sabe aquela loira de cabelo comprido? (Imagina quantas não tem na SPFW!) “Ahhh não sei…”. Agora olha a diferença: sabe aquela loira de cabelo comprido que sempre está usando um lenço colorido, cada dia amarrado de um jeito!? “SEI!!” Bingo! Ou então imagina que você está se candidatando para uma vaga numa revista e, ao chegar no lugar, a jornalista que está fazendo as entrevistas te reconhece de algum evento anterior. Pronto, você conseguiu dar um passo a frente dos outros candidatos.

Além de cuidar do conteúdo e dos contatos, também temos que garantir que sejamos lembrados E reconhecidos ; )

0 Com.

O QG de Alexander Wang

aw-3

O escritório para nos inspirar nesse início de semana é do Alexander Wang, estilista de sua marca homônima e da Balenciaga (ele ficou no lugar do Nicolas Guesquière que, por sua vez, ficou no lugar do Marc Jacobs na LV, lembram dessa dança das cadeiras?)

O espaço segue o estilo da moda criada pelo estilista: clean e cool até dizer chega, do tipo “You Can’t Sit With Us” haha.

aw-5

aw-3

aw-4

aw-1

7 Com.

Qual faculdade eu faço?!

O post tá gigaaaante, mas é um assunto super necessário, não dava para ficar resumindo, sorry!

O post de hoje foi inspirado numa conversa que eu tive com uma leitora hoje à noite! Tudo começou com uma simples pergunta: “Gostaria de cursar moda e queria dicas de faculdades e universidades”. O papo rendeu, viu…

Há quase 7 anos atrás (ó Deus, como o tempo passa…) eu adoraria ter tido alguém para conversar a respeito! É uma escolha um tanto quanto complexa, já que a questão aqui não é só qual faculdade é boa, mas qual é o curso mais indicado para você. E também envolve o seguinte pensamento: nas áreas de engenharia ou direito, por exemplo, você TEM que se formar na área. Não existe engenheiro que não fez engenharia ou advogado que não cursou direito. Já em relação à moda, não é tão quadradinho de 8  quadrado; você pode tirar o conhecimento de diversos lugares, cursos…

Andy Sachs

Não sou uma super expert nos atuais cursos disponíveis atualmente, mas basicamente eu vejo três segmentos: Criação de Moda, Negócios da Moda e Tecnologia Têxtil. Pesquise e leia bastante sobre cada curso e as grades para você saber com qual você se identifica mais.

A chave aqui é pensar no que VOCÊ quer. – Aliás, não escute muito seus pais nesse momento… eles tem uma tendência a achar que moda é fútil e não vai te levar a lugar algum! – Você tem que levar em consideração qual base você quer ter, o que você quer estudar e aprender mais. Eu sou formada em Negócios da Moda com ênfase em marketing  pela Anhembi Morumbi. É um curso no qual você tem um aprendizado muito amplo da indústria da moda, não só da criação. A maior parte das minhas colegas de turma tinha interesse principalmente na criação, mas optaram por esse curso para terem um olhar mais voltado para o mercado e os negócios. Meio que para poder ter uma marca e saber tanto criar quanto gerenciar, sabe?

Vou contar algumas histórias de amigos meus para vocês me entenderem melhor:

Começando por mim: Eu sempre fui apaixonada por moda! Clichêzão mesmo hahaha sempre me interessei por roupas, como as pessoas se expressam por meio delas, como elas representam todo um contexto e uma sociedade… e eu também amava revistas de moda. O meu sonho era ser uma jornalista de moda e ter meus textos nas Elles e Vogues da vida. Lá no meu segundo colegial começou aquele questionamento de qual curso fazer. Eu não suportava a ideia de desenhar peças, criar coleções, pensar na construção, desenhar croquis… Então Criação estava fora de jogo. Como eu  gostava de revistas, cogitei estudar Jornalismo. E aí fiquei entre Jornalismo e Negócios da Moda, até me decidir que eu queria mesmo era ficar na moda, para depois definir qual seria a minha atuação nessa área. O curso foi perfeito para mim! Aprendi sobre tecidos, costurei, desenhei, estudei comportamento do consumidor, cool hunting, marketing, administração, produção de moda… o lado negativo é que você sabe de tudo um pouco, mas às vezes parece que você não sabe muito de nada, sabe? Mas para mim foi ótimo. Fiz diversos cursos para incrementar ainda mais o meu currículo e conhecimento, e como contei nesse post aqui, descobri que, afinal de contas, jornalismo não era para mim! Super me identifiquei com cool hunting e marketing, trabalhei na área comercial de uma marca e hoje sou consultora de imagem!

livros

Agora a história da minha sócia na Consultoria de Imagem, Carol Carneiro: ela também fez Negócios e desde o começo da faculdade se interessava por jornalismo. Chegou a trabalhar no backstage de desfiles, no marketing de uma marca e com uma joalheira, mas ela gostava mesmo era de jornalismo. Fizemos juntas um curso de Jornalismo no IED durante nosso último semestre. Ela manteve contato com nossos professores: Silvana Holzmeister (na época Editora de Projetos Especiais da Vogue) e Lula Rodrigues e, também por causa do blog que ela tinha, ela começou a pegar freelas e fazer coberturas de semanas de moda com esses jornalistas. Pronto, ela já era uma jornalista! Passou por uma revista digital e hoje, além de seus freelas e da nossa empresa, ela tem um blog no site da revista Glamour e escreve para o Fashion Bubbles.

Viram como a gente teve a mesma base, mas cada uma seguiu por um caminho?

Temos um amigo, Milton Meniquetti, que hoje em dia é dono de uma loja virtual, a Animal Prints. Ele é formado em Administração de Empresas, e também se formou com a gente em Negócios. Ele disse que a formação em moda foi super importante para ele ter a sua loja e poder pensar mais no seu consumidor, e não só e simplesmente administra-la. Nós fizemos até nosso TCC juntos, mas ele seguiu para o varejo e para a criação, já que cria suas próprias peças.

Uma outra amiga que se formou comigo, Luiza Paiva, hoje em dia é especializada em Visual Merchandising.

Último exemplo: Milena Mingone. Amigona minha, trabalhamos juntas na Paul Frank. A Mi é a estilista da marca, formada em Criação de Moda pela FASM e com passagem pela Ellus e Juliana Jabour. Ela não tem interesse nenhum na área comercial, por exemplo. O que ela gosta mesmo é de criar peças, é craque em analisar modelagens e tecidos, pensar nos aviamentos… Ou seja, Criação foi o curso perfeito para ela adquirir todo o conhecimento necessário para isso.

Manequins

E uma coisa também a se levar em consideração é que existem muitas instituições onde você pode fazer cursos livres: IED, FASM, Escola São Paulo, FAAP, Casa do Saber… Ou seja, mesmo que você curse Criação, você também pode estudar Marketing numa dessas escolas.

Para facilitar a sua pesquisa, o Chic postou uma lista atualizada de faculdades de moda pelo Brasil afora!

Espero não ter confundido sua cabeça ainda mais! hahaha Mas para quem quiser bater um papo, estou à disposição nos comentários, e-mail e página do face do blog =)

6 Com.

“Como construir uma carreira de sucesso em moda”

Há algumas semanas atrás eu participei de uma palestra com a Angela Valiera, uma super profissional que é Counselor em Carreiras de Moda e Gerente do Carreira Fashion. O tema da palestra era “Como construir uma carreira de sucesso em moda?” e foi MUITO legal!! A Angela, por causa de sua carreira e do Carreira Fashion, tem um conhecimento muito rico do mercado como um todo e, por ser Counselor, ela tem esse plus a mais de conseguir mostrar o que podemos pensar/fazer/planejar para termos uma super carreira ou pelo menos saber por onde começar!

Foram muitas dicas, conselhos e análises legais e eu escolhi algumas que eu achei mais importante para dividir aqui com vocês.

1. Saiba quem você é e o que você quer.

Conhecer a si mesmo é importantíssimo para saber para onde ir. É importante saber do que você gosta, do que não gosta, saber seus pontos fortes, fracos… afinal, se você não se conhece, como saber o que você quer? E como começar a pensar na sua carreira se você não sabe para onde focar?

2. Conheça o mercado.

O Carreira Fashion realizou uma pesquisa e chegou a um número incrível: existem 55 áreas dentro da moda, que se dividem em mais de 300 profissões. Ou seja, ter como objetivo “trabalhar com moda” não tá servindo muito, né?

Vá atrás e pesquise o mercado (olha o Job-à-Porter te ajudando nessa!!), saiba mais sobre as profissões, possibilidades, como são os detalhes da área que você se interessa. E vá a fundo nesse ponto: você gosta de comunicação? Bom, mas em comunicação você pode seguir para área de fotografia, consultoria de imagem, VM, jornalismo… Quanto mais você se informar, mais preparada você vai estar para entrar no mercado!

– Aproveitando o assunto, quando alguém te chamar de fútil ou algo do tipo por escolher a moda como profissão, dá uma lembradinha nessa pessoa de que a moda é o segundo segmento a empregar mais pessoas no Brasil, só perdendo para a Construção Civil, além de ser o primeiro em empregar mulheres. Humpf! – 

3. Pesquise as vagas e identifique o que é mais pedido.

Você quer muito trabalhar com desenvolvimento de produto, mas na verdade não sabe muito bem que cursos seriam legais para fazer ou sobre o que você poderia aprender mais. Que melhor lugar para descobrir do que nos próprios anúncios de emprego das empresas que você quer trabalhar? Nos anúncios a necessidade de saber usar o Corel é recorrente? Bingo! Agora você já sabe do que correr atrás. E para pesquisar as vagas de emprego você não tem que necessariamente ser cadastrado nos sites, então acesse o Carreira Fashion, Vaga.com e etc e se joga!

4. Escreva seus obstáculos e planeje como ultrapassá-los: coloque no papel!

Depois de se conhecer melhor, saber o que o mercado procura e o que você pode oferecer, a questão é “E agora? O que e como fazer?”

Essa fase é para analisar o seu momento atual: O que você tem de diferencial? Onde você está? Qual sua experiência? Por meio desses detalhes, você poderá chegar a um ponto muito importante: O que me falta? Quais meus obstáculos? E, a partir dessas respostas, definir: o que posso fazer para supera-los? Qual o primeiro passo? E os seguintes?

E um aspecto que ela cita como importante nesse momento é: escreva seu planejamento no papel!! Lembra desse post que eu falei sobre isso? Pois é! É muito importante ter anotado todos os passos para que você possa consultar sempre, possivelmente alterar e também é uma maneira de te ajudar a “ficar na linha”.

E depois de tudo isso? Chegamos a uma etapa importatississíssima: o Currículo! Mas esse vai ficar para outro post, porque tem bastante coisa legal e é um assunto que merece um momento só para ele!

E para os campineiros e moradores da região, tenho uma ótima notícia: no dia 13/08 a Angela estará no Senac dando essa mesma palestra e é free! Mais informações nesse link.